27.6.05

Vigilancia Sanitária II - O Suplício





Ela voltou! A vendedora de jóias que ataca diretamente as mulheres que entram no banheiro feminino, depois de poucos dias de ausência, retorna a seu posto, constrangendo quem procura um local tranqüilo para fazer aquilo que não ousa dizer seu nome em público.
Essa mulher tem a mesma característica das taradas de banheiro: incapacidade olfativa. Não é humanamente possível manter aquele sorriso falso e a voz melíflua enquanto ruídos e odores desagradáveis se mostram em todas suas glórias!!!!
A presença dela é mais certa que a chegada do IPTU em janeiro. Desde que surgiu em nosso universo de labor, não passa uma semana sem comparecer ao local escolhido como estande de vendas. Quando entramos com a cara virada para outro lado, tentando passar despercebidas, ela brada, triunfante: "Oiiiii! Olha eu aqui outra vez!!!! E então, é hoje que você vai decidir o que levar?"
A marcação é cerrada e, provavelmente, dá certo, já que ela pousou na maior firma do País, burlando todos os sistemas de segurança empresarial que deveriam proteger-nos de suas investidas. Será que existem vendedores nos banheiros masculinos?




7 comentários:

Adriano Lima disse...

Como diria Padre Quevedo, "isso no ecziste!"

(...)

Pelo menos no banheiro masculino não. Com a invasão metrossexual, isso já se torna uma possível ameaça.

Agora deixe de reclamar que não escrevo nada. Cheiro.

Lívia disse...

Isso é injustiça, Olguinha! Só nós, mulheres, temos o monstro do banheiro? Temos que dar um jeito nisso!

Rosane Serro disse...

Olga, a situação começa a ficar preocupante. E se a vendedora de jóias fizer parte de uma quadrilha interestadual de assustadoras de banheiro???

A longo prazo, elas podem prejudicar seriamente a produtividade da companhia e, por conseguinte, o faturamento líquido, as exportações e a balança comercial brasileira!!!!

Precisamos agir, Olguinha, precisamos agir...

Olga disse...

Adriano,
Escreva SEMPRE!!! Cuidado com a Murta que geme....Ela pode se disfarçar e atacar no banheiro masculino...

Olga disse...

Liv,
Como lhe disse, esta mulher É a encarnação da Murta Que Geme, do Harry Potter.

Olga disse...

Rosa,
eu sou da época da Loura dos Banheiros. Havia uma lenda, no colégio Notre Dame sobre a mulher que aparecia no banheiro, confundida, em nossas mentes juvenis, com a Loura dos Assaltos.
Esta Murta que geme é a morena daquela época, que deixou de pintar os cabelos e nos assombra em carne e osso.

Ju disse...

Hehehehehehehehehehehehehehe, essas mulheres conseguem tudo!
Beijos