10.5.08

Confissão de Fé - puxa a minha ficha no DOPS!


Ressurjo do encarceramento forçado por uma saúde claudicante, que começa a sinalizar a alarmante decadência orgânica, e sou surpreendida ao me descobrir em listas de blogs favoritos de alguns blogueiros-leitores. Normalmente, tal deferência me encanta, mas desta vez fiquei estarrecida, pois um desses blogs me incluiu ao lado de diversos blogueiros da mais festiva e emperdenida direita reacionária. Pessoas que consideram uma indignidade o País ter um presidente sem curso universitário, que se dizem cristãos humanitários e que pregam a pena de morte - a pretos e pobres, claro.
Creio que meu comedimento em comentários amplos e a pluridade nas amizades tenha me levado a ser confundida com pessoas que se dedicam a denegrir a figura de Lula, como se ele fosse o inventor da corrupção ou o causador da miséria moral em que o planeta se encontra há muitos anos. O mais constrangedor é ver meu blog listado exatamente abaixo do nome de um direitista de plantão, um desses tipos que encarnam o personagem na vida real, como fazia o Jece Valadão com sua persona de cafajeste.
Por isso mesmo, abro meu coração e voto, dando o seguinte testemunho:
Em quase 30 anos como eleitora, não houve uma só eleição em que eu não votasse no PT. Ou anulava ou votava em algum candidato petista, geralmente repetindo a dupla verdinha Minc/Gabeira, alternando com alguns postulantes que não chegaram a ser eleitos, indicados por amigos, como líderes comunitários do Santa Marta. Cresci na ditadura, que aprendi a odiar em todas as suas manifestações totalitárias, seja do matiz que se apresentasse. Acredito que qualquer estado tenha condições de manter-se distante da tortura e da exceção. E tenho um tremendo orgulho de viver em um dos poucos países do mundo que ousou votar em um operário para a Presidência da República.
Critico este governo, sim, pela timidez nas reformas sociais. Critico este governo, sim, por render-se a perpetuar um sistema de corrupção ativa, herdado de todas as administrações anteriores, sem tirar nem pôr. Mas tais críticas não me tornam uma reacionária, por favor!

E mais uma vez, informo, a quem interessar possa, que sou anarquista, feminista, flamenguista, carioca da gema, por nascimento, militância e insistência; apaixonada por minha prole, meus livros, meus discos, meus filmes, cinema, música, plantas, bichos, decoração, sapatos, praia, impressões e impressionistas, minha cidade, beber mate, jogar muita conversa fora, cochilar à tardinha, almoçar longamente com meus amigos de diferentes matizes políticos, sociais, sexuais e culturais, com ojeriza ampla total e irrestrita por gente cruel e desrespeitosa.
Revoguem-se, pois, as determinações em contrário.

E por mais que me agrade ser apreciada por leitores de diferentes matizes, indicar este blog ao lado de outros de orientação tão diferente da minha pode ser propaganda enganosa. Igual quando encontrei Hiroshima, Mon Amour classificado como drama erótico e sendo levado para a seção de filmes pornográficos da locadora de vídeo. Tentei explicar ao atendente, mas ele não se rendeu a meus esclarecimentos de que o locador de tal filme ficaria absolutamente decepcionado com o conteúdo dele. Assim como alguém que esperar encontrar aqui um blog extremamente politizado e de condenação sistemática ao atual governo federal.

5 comentários:

Eduardo Graca disse...

É o preço da fama! Olga de Mello, musa da direita festiva. Quem diria! Ha! Ha!

palpiteira disse...

Olga, gosto muito daqui, da forma como escreve e não a confundo com nada, pode apostar. Sou eclética. :)

Olga disse...

Palpi, eu sou democrática. Mas, poxa, daí a ser linkada junto com uns blogs que, sinceramente, só faltam pregar o extermínio de gente ignorante, feia e pobre...
Foi bom, pra eu aprender a mostrar-me menos arrogante.
Bj

Claudinha disse...

Olga, finalmente chego ao teu espaço, e me deparo com esse teu texto apaixonado. Aplaudo a tua postura... mas tenho uma ressalva a fazer... quando linkamos alguém, estamos querendo não apenas mostrar os espaços pelos quais nos tornamos leitores e frequentadores, como também para nos levar mais facilmente a esse espaço. Costumamos usar os links para ler tais blogs. Quanto a estar linkada, justamente abaixo de uma direitista... com toda a certeza o acaso faz das suas... pq os links são colocados em órdem alfabética. Não há ligação alguma partidária aos links... como democracia... os links são feitos de forma um tanto livres, e as ordens que os encontramos (salvo raríssimas exceções) alfabética.

Olga disse...

Oi, Claudinha, bom conhecê-la. Tenho a ressalvar que, criada numa família de militares, até hoje brigo feio por política. Nada tenho contra matizes, não é isso. Mas me assustei, realmente, porque meu pluralismo jamais levaria a indicar a leitura de algumas idéias que considero altamente perniciosas ao desenvolvimento humano. Algo assim como ler letra de funk, sabe? Funk tem boa batida, mas não é harmônico nem tem lírica alguma. Então, melhor ficar distante.
Enfim, isso é conversa pra muitos e muitos posts...