28.7.08

O que não suporto é o cheiro de cigarro que invade o quarto. Ninguém fuma aqui. Ninguém fuma mais aqui.
É a vizinha de cima fumando escondido na janela. Joga a fumaça para meu quarto, atira os cigarros no meu telhado.
Eu já fui uma menina assim, não trabalhava para sustentar meus vícios. O olfato de meus severos pais era desligado se tivessem que reconhecer meu hálito de tabagista inveterada.
Um dia, minha mãe me pegou fumando. Desmanchou um cigarro na água e me obrigou a beber aquela palha nojenta. Não pude pular Carnaval naquele ano. Fumei por mais dez anos, malocava cigarros debaixo de meu colchão, sob os tapetes do carro.
Quando engravidei, larguei o cigarro. Seis anos depois, retomei, por um bom período. Parei de vez há cerca de dez anos.
Agora, não fumo e sustento um monte de gente.
Saudável, responsável, extenuada, asmática.

5 comentários:

Miguel Andrade disse...

Olga, me espanta gente como vc que parou e depois de anos retornou. Deve ser bem ruim, já que quando tentava parar e voltava, me vinha uma sensação de derrota gigantesca! :(
Se um dia eu conseguir parar vou virar o mais chato do planeta. O cheiro também me incomoda pra chuchu. Desaforo de vizinha!

Olga disse...

Miguel, a média de tentativas de abandonar o fumo é muito alta. Algo em torno de quatro vezes até o tabagista conseguir vencer a dependência.
É difícil mesmo. A gente acaba ficando chato porque o cheiro de cigarro é desagradável. Agora, eu adoro o cheiro do tabaco sem ser queimado. Muito mais do que o de fumo de cachimbo, que é adocicado.
E depois de tantos anos longe de cigarro ainda sonho que estou fumando. Que coisa, né?

Miguel Andrade disse...

E você parou de boa? Pq quis? Olha, parei porque simplesmente quis com coisas bem mais hardcore. Mas cigarro pra mim é bem mais difícil. E também pq gosto de acender, ver a fumacinha...

Olga disse...

Descobri que estava grávida. Não havia alternativa. Você daria cigarro a um bebê?

Miguel Andrade disse...

Jamé!