17.12.09

Tanque com abacaxi


Uma blogueira americana quer boicotar a premiere de Avatar pelo caráter homofóbico do filme, que mostra um casal formado por um homem e uma mutante, quando poderia apresentar povos ecologicamente corretos que teriam superado as barreiras do amor entre iguais. Ou seja uma Broeback Mountain interplanetária.

Gente, na boa, debalde esses tempos tão politicamente corretos, vamos cair na real: ou a moça é doida ou desocupada ou quer aparecer muito!!!!

Tem uma boa terapia pros dois primeiros casos: um tanque de roupas a lavar!
E, para a terceira hipótese, equilibrar um abacaxi na cabeça.

5 comentários:

Halem Souza disse...

Fico com o abacaxi: vai querer aparecer assim lá no tal planeta do Avatar!

Anônimo disse...

Que significa "que haveriam teriam superado" ??????????

Olga disse...

Upa, corrigi e não cortei!!!! este é o significado do haveriam teriam, Anônimo!

Tertúlias... disse...

Oi Olguita, adorei o tanque e o abacaxi! Hi hi... Mas achei mesmo o máximo a expressao: O cargo exige, como o ambiente da gafieira, respeito (da postagem abaixo)
Maravilha, maravilha... É uma expressao mais do que perfeita quando usada em relacao às nossas "otoridades". To senrindo tua falta... Tem tempo que agente nao se comunica, né? Beijo
Ricardo
P.S. Que bonito... minhas letras para a verificacao de palavras
comporam a palavra HOLLY... Wow...

milena disse...

Olga,
os últimos post estão deliciosos. Vc vai de um assunto a outro sempre com muita opinião! Já descartei Avatar da minha lista! Gostei muito quando vc se assumiu como alguém que entende ou sente muito fortemente o cinema. Eu tenho uma dificuldade imensa em assumir que sei um pouquinho de cinema, ou de literatura, ou ou ou.

E esta onda do politicamente correto é tão chata, às vezes!

E sobre o que vc escreveu lá no meu blog sobre a alegria de ser mãe, saiba que a minha alegria vem às vezes acompanhada de uma certa relutância. Tudo tem sido um aprendizado, inclusive este de se doar por inteiro a um serzinho! Eu sempre fui tão independente, morei anos sozinha, sou avara com meu espaço... mas um filho parece que tem a capacidade de preencher tudo!

Um grande abraço.