19.3.10

Adultos




O ano corre célere.
Retornei aos bancos universitários para uma pós-graduação na PUC de Literatura, Arte e Pensamento Contemporâneo. Há quase 30 anos não tenho aulas e não sei mais anotar o que o professor diz. Dói a mão. Eu era uma fichadora compulsiva, que chegava em casa e passava a limpo o que fora dado em sala de aula. Terei que voltar ao velho método sob pena de não compreender nada do que está escrito nas anotações originais.
Trabalho bastante, também, enquanto conduzo este barco que, atualmente, singra águas calmas, embora sempre misteriosas e surpreendentes, já que os passageiros são adolescentes prontos a mergulhar em mares nunca d'antes navegados.
Amigos começam a comemorar os 50 anos que também completarei em 2010. Compadres festejam Bodas de Prata.
Estranho perceber que, na contramão do culto à juventude eterna, estamos maduros, mesmo tendo sido a primeira geração agarrada às barras das saias e calças de mães e pais. Antes de nós, eram os que saíam pra romper com o establishment. Nós, não, crescemos protegidos, sentimos dolorosamente a falta desses pais como bebês órfãos. E agora, criamos kidults arrogantes.
Definitivamente, não somos os mesmos nem vivemos como os nossos pais.
E ainda esperamos virar "gente grande".

4 comentários:

Tertúlias... disse...

Linda foto... adorei saber sob a os graduacao... e que somos do memso ano...

Jôka P. disse...

É batata! Vc acertou na mosca, sobre a nossa geração, Olga! Bjs!

Olga disse...

Beijo, Jôka!!!!

Olga disse...

Ricardo, este ano fazemos meio século!!! Vc imaginava que chegaria neste patamar de vida????