21.7.05

Julho, depois da chuva




Basta um solzinho, um céu clarinho sem muitas nuvens para os rapazes alegremente tirarem a camiseta a caminho do trabalho, aquele batalhão de contínuos que inundam a Cidade, de tênis, às vezes mochilas, quase sempre camisetas verde-musgo ou mostarda.
E as moças já voltam a se equilibrar sobre sandálias com plataformas tão altas que não recordo como eu conseguia caminhar calçando aquilo.
Os velhinhos tomam de assalto o calçadão de Copacabana, as peruas saradonas caminham pela orla com calças de moleton, puxando cachorrinhos brancos que tentam enroscar as alças das coleiras nas bicicletas que driblam os invasores da ciclovia.
Mães e criancinhas em férias atravessam tímidas as areias ainda geladas pela chuva da noite anterior.
Dos morros desce gente de pernas fortes, esguias e luzentes, da cor dos olhos que desafiam o jeito reprovador dos habitantes do asfalto, que se alarmam com as roupas tão justas, tão berrantes, tão exuberante daquele povo de pele brilhante.
Homens engravatados reclamam dos ternos azuis marinhos e se escondem sob óculos escuros. Exércitos de mulheres com paletós bege, negros, rosados e verde marcham com pés imprensados em bicos finíssimos.
Camelôs apregoam ofertas de inutilidades essenciais à vida urbana. Malabaristas se amontoam nos sinais de trânsito, disputando a área com vendedores de lenços de papel e balas. Guardas apitam, sem a menor convicção, indicando aos motoristas que avancem quando o sinal fica verde.
Debaixo das cobertas, os vendedores de mate pensam se vale a pena arriscar uma ida à praia, num dia de semana tão chocho.

3 comentários:

Rosane Serro disse...

MARAVILHOSO!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Repetindo - em outro contexto - o que disse hoje pela manhã: É por isso que você é Olga de Mello!!!!!!!!!

Olga disse...

E por isso que você é Rosa, minha filha, tão citada e mencionada mesmo que anonimamente nessas observações cotidianas!!!!
Cê tem que ler mais, minha filha...
beijo!

Godan disse...

Uma excelente descrição das praias da Zona Sul carioca em dias de semana.
Quem nã for do Rio pode ter uma noção exata.