22.11.05

Generation Gap


- Você não pode classificar um filme como chato! - revolta-se meu jovem amigo, com aquela indignação que só temos aos 25 anos.
- Posso, sim. Se eu posso dizer que uma pessoa é chata e pronto, por que não posso falar isso de um filme? - respondo com a tranqüilidade sábia que só conquistamos aos 45 anos.

4 comentários:

Sonia disse...

Pois tem filme chato, tem livro chato, tem música chata... Coisa boa de se envelhecer é não precisar mentir, fingir que gostou do que todo mundo acha que você tem obrigação de gostar. E tem cada autor medalhão que eu acho chato!

Olga disse...

A liberdade que a maturidade traz é fantástica, não? Como é bom não temer críticas nem se preocupar com o que os outros pensam a nosso respeito...

SilkSatin disse...

Tou nesse exato momento da minha vida começando a sentir essa tranquilidade a que voce se refere.
Grandessíssimo barato!
Estou adorando a chegada da idade...
Vem cá... ce ja chegou naquele ponto de morrer de rir de todo o sofrimento desnecessario a que nos impomos ao longo da juventude?
Todo aquele drama meu Deus!

Olga disse...

Ainda não rio dos sofrimentos passados na juventude. Sou difícil mesmo de superar dores. Espero que esta fase chegue logo, Cíntia.