21.2.07

Até pro ano...

Ventilador pifou, computador pifou. Fui pra praia...
Foi carnaval, gente!
Ano que vem começa segunda-feira, ora!
Até lá, skindô,skindô...

5 comentários:

Comentário Solitário disse...

Você me achou! E você tem muitos blogs, hein? Vou ver todos. Começo por este.
O ano começa depois do carnaval. Mas quando termina o carnaval? É na quarta-feira de cinzas? Ou depois do desfile das campeãs?
Respondendo (atrasado) ao seu comentário lá no meu blog:
Sabe que eu gosto do "Chicago"? Mas não chega aos pés do "Moulin Rouge", que é uma obra-prima, claro. Quanto à falação cantada, ela nunca me incomodou. Mas os adolescentes que viram "Dreamgirls" no mesmo cinema que eu acharam isso surreal. Acho que eles nunca tinham visto um musical antes. Devem ter ido só por causa da Beyoncé.

Kristal disse...

Mas é muita coragem ir à praia com essa buraqueira na camada de ozônio, Olga!
Não vou nem com filtro Lancôme facteur 54.

Olga disse...

Alexandre, como eu lhe disse, acho que Chicago tem uma imensa carência de Bob Fosse. Se fosse ele dirigindo, esta versão cinematográfica teria saído bem mais dark e sarcástica, com o tom que a Zeta Jones soube imprimir, mas que passou longe da Zellweger. Erro de direção, que não soube orientar atores.
E faça o favor de pisar sempre nessas arenas...
beijo!

Olga disse...

Kristal, ma belle, eu sou o protótipo da brasileira, pele bem morena, que agüenta os descalabros dos trópicos, sempre auxiliada por filtros poderosérrimos e por barracas de praia, as quais jamais dispensei desde a adolescência, quando minhas amigas se torravam ao sol, cobertas por raytos y otros venenos bronzeadores. Eu, neguinha de Ipanema, me mantinha sob a sombra e consegui atravessar mais de 40 anos de praia sem rugas, manchas ou sardas. E pretendo passar os próximos 40 assim, sofrendo apenas por não poder pegar umas ondas em Brisbane.
kisses

Comentário Solitário disse...

Como as pessoas tinham coragem de usar Rayto de Sol?
Não seja ciumenta, Olga. Que eu saiba, Kristal só descobriu meu blog agora, lendo meu comentário aqui no seu.
Mas seu ciúme é encantador, admito.
Beijo,
Alexandre