14.2.07

Sugestão para a paz


Se todos os cidadãos, de qualquer idade ou sexo, tivessem direito a uma massagem nos pés dia sim, dia não, o Rio seria uma cidade mais feliz.
Não é brincadeira, não. Sem qualquer conotação erótica - tem tarado por pé que fica doido só de ler isso -, dificilmente alguém resiste a uma massagem nos pés.
Sem cair na bicho grilice deslumbrada, poderia bem haver um projeto com serviços de saúde entrando nos locais mais pobrezinhos para fazer massagem nos moradores.
Seguiríamos o exemplo de Cristo, que lavou os pés dos apóstolos na última ceia.
Ou das indianas que fazem shantala em seus bebês para tranqüilizá-los, dar carinho e segurança.
É muito difícil alguém sair fazendo besteira depois de uma boa massagem, daquelas que nos provoca apenas suspiros de enlevo puro.

5 comentários:

DANUZIA PIETRO disse...

CONCORDO EM GENERO, NUMERO E GRAU.
O QUE ESTA FALTANDO ,HOJE , NO SER HUMANO É TOQUE... TOQUE DE CARINHO, DE AFETO, DE ABRAÇO, DE MASSAGEM, SEM SER MASSAGISTA. APENAS QUERENDO ACARICIAR, SEM QUALQUER INTENÇÃO QUE NÃO SEJA O DOAFETO.

Jôka P. disse...

Isso é serio, Olga ?!
Um projeto para massagear os pobres faveladinhos ?
Shantala na molecada ?
Meigo...
O que mais ?
Desenvolve...
Tô ouvindo.

OMM disse...

Sério. Acho que uma shantalada na moçada reduz a agressividade. Mas é óbvio que um projeto desses não seria levado à frente por governo algum. Ai de mim que sou romântica...
:)

Kristal disse...

Vamos fazer acumpuntura na molecada também ?

ipaco disse...

Me lembrei do diálogo entre os personagens de Samuel L. Jackson e John Travolta, em Pulp Fiction, em que discutem o caráter silenciosamente erótico de uma massagem no pé... Jackson nega, até que Travaolta manda:

"Você faria uma massagem no pé de um homem?"