20.3.09

Simplesmente Feliz


O release de Simplemente Feliz anuncia o filme como uma comédia sobre diversão, procura de amores e aproveitar a vida.
Comédia de Mike Leigh é para deixar qualquer um com um pé atrás. É claro que Simplesmente Feliz não tem qualquer cena hilariante. A personagem é tão viciada em alegria que tira o humor e o ânimo de boa parte da platéia. Não que o filme seja longo. Tem cenas deliberadamente entediantes, uma sequência inexplicável, outra didática - a visita das doidivanas, porém cumpridoras de seus deveres, à casa da irmã careta. E cenas tensas, sempre com Eddie Marsan ao volante ou ensinando a dirigir. Um instrutor de direção talhado para o trânsito carioca.
Sally Hawkins dá um show. Sua Poppy chega a ser desconcertante, na sua busca por diversão. Uma balzaquiana que se veste como adolescente amalucada, patética no riso fora de hora e de lugar, que só fica séria quando precisa resolver problemas graves. Descerebrada, sem conteúdo, numa vidinha besta e aparentemente imatura. Mas é a vida que ela escolheu. E isso o filme defende bem, o direito de se viver da forma que mais agrada a cada um, mesmo que irrite um pouquinho quem está por perto.

2 comentários:

FreakShowBusiness disse...

Mas vc gostou do filme, de modo geral? Tenho curiosidade de ver...

Olga disse...

Não. Achei longo e dispensável. Feito pra encantar intelectuais.