15.2.14

A misoginia nos pés.

Como muitas mulheres, gosto de sapatos. Já usei saltos altíssimos, scarpins apertados a ponto de prejudicar ossos, sandálias de tudo quanto é cor. Isso ficou no passado, pois, na meia-idade, passei a prezar o conforto dos pés mais que a estética. Sempre, no entanto, buscando sapatos que não se sobressaíssem a ponto de me tornar acessório deles.
Admiradora da comodidade e do charme que alguns calçados emprestam a quem os usa, sempre imaginei que os sapatos escapariam das aberrações criadas por alguns estilistas de moda. Sapato tem uma função prática: auxiliar a caminhada e evitar ferimentos no contato dos pés com o chão. Não há muito como errar em embrulhar o pé, pensava eu.

Estava absolutamente enganada. Há alguns anos os sapatos plataforma com saltos da altura de arranha-céu foram importados dos palcos de shows de travestis para as sapatarias femininas. E as pobres jovens que se espantam com os pés atados das chinesas, submetem-se à tortura de equilibrar-se em verdadeiras pernas de pau, arriscando-se a fraturas, torções e outros desastres ortopédicos. Junto com os saltos altíssimos surgiram estranhas sandálias de guerreiro romano, desenhadas, certamente, por um sapateiro pervertido.
Fora complementar as fantasias envergadas por Lady Gaga e outras figuras pop, esses sapatos servem apenas para tirar qualquer laivo de dignidade da mulher que o calça. Fruto da misoginia explícita de criadores recalcados, essas porcarias que prejudicam a saúde e a estética mereciam ser queimados em praça pública.

Porque, cá pra nós, feminismo não é se insurgir contra a moda e outras armadilhas do capitalismo, apenas. Feminismo é lutar contra a tortura e o controle das mentes femininas. Usar essas abominações nos pés equivale ao pecado mortal que é vestir biquíni depois dos 45 anos. Porque, novamente cá pra nós, maiô inteiro é roupa, classificação que biquíni jamais almejou receber.

Mulher alguma deve acreditar que ficará interessante, glamourosa ou divertida calçando ferramentas de tortura. No mínimo, conseguirão bolhas nos pés e muita dor na coluna. Ninguém, nem o misógino fetichista que inventa esses horrores, merece calçar algo assim.

Portanto, bela jovem que espera conseguir atravessar graciosamente as trilhas do mundo, insurja-se contra a dominação misógina. Sua coluna, seus artelhos e a estética agradecerão.


A seleção de fotos é uma homenagem a meu amigo Júnior Grego, que se irrita ao encontrar moças incautas amarradas por esses apetrechos. Júnior tem mais do que razão. Porque, querida, se fica esquisito na Anne Hathaway, bonita, atriz de Hollywood, ganhadora de Oscar, esteja certa de que vai ficar lamentável em você.














Um comentário:

Susana Dinigre disse...

Concordo com você Olga, verdadeiras aberrações.
Bjs