23.9.06

No escurinho do cinema


Sempre que vou assistir a um filme do Brian de Palma, entro na sala cruzando os dedos. Isso desde que eu vi uma loucura chamada 'Missão Marte', ou coisa que o valha, em que o Gary Senise vai encontrar com ETs em Marte, enquanto o Tim Robbins chora. De um ridículo atroz e intensamente entediante, a ponto de todos os espectadores conversarem animadamente durante a sessão. Devia ser verão, o ar-condicionado era potente, essas coisas.
Ele se redimiu com "Femme Fatale", embora aquele fim de "foi tudo um sonho" ser uma das jogadas mais condenáveis do processo criativo desde os tempos de escola. Aí, ele apresenta "Dália Negra". Outro filme noir, outra história de dois homens envolvidos com uma loura como bem gosta o James Ellroy, outra história de corrupção policial em Los Angeles, uma reconstituição de época caprichada, cabelos exagerados, batons escandalosos, chapéus, brigas de rua, de ringue, tiroteio e uma família de gente rica e esquisitinha. Tudo isso temperado com referências cinematográficas claríssimas (sexo sobre a mesa de jantar, bem "O Destino Bate à sua Porta", versão de Bob Rafelson) e trilha sonora presente o tempo todo, bem antigona. Ah, e k.d.lang cantando "Love for Sale", hino oficial dos homossexuais na primeira metade do século XX.
Cinemão bem feito, sem qualquer mensagem contra o sistema em geral. Só cinema. Se o Brian de Palma continuar refazendo noirs ou hitcockiar ("Dublê de Corpo", "Obsession") , melhor pra nós. Mesmo que tenhamos que aturar a Scarlett Johanssen. Ô, mulherzinha chata...

2 comentários:

Jôka P. disse...

Olga,
a tenda praiana do festival com os cartazes imensos (inclusive o da Black Dhalia) fica quase aqui em frente de casa.
Gosto dos filmes de Palma, são como sexo ou pizza : mesmo quando são ruins, são bons.

Olga disse...

Amigo, "Missão Marte" é como pizza do dia seguinte e day after sexo com colega depois da festa de fim de ano do trabalho: experiência dispensável. Mas Dália vale a pena!
Gostou das letrinhas maiores e mais escurinhas. Just for you, babe! beijo!